Quem é você, Alasca? - Livro John Green



Olá Galera, como estão vocês?
Bom, Hoje vamos com um super livro, espero que gostem...

Depois que a "Onda John Green" passou, ou pelo menos diminuiu, me senti na obrigação, como boa amante de livros, de ler os seus sucessos. ‘’Quem é você, Alasca?’’ foi o primeiro livro publicado pelo célebre John, e logo de início se tornou um Best-Seller, apaixonando à muita gente. E não é para menos, somente a capa, diferente em cada edição, já nos passa aquele gostinho de “quero mais”, impossível não querer ler. Rsrs

No começo, o livro nos apresenta o jovem Miles, que vive uma vida chata e sem graça. Um menino estudioso, e que sempre orgulhou os pais, porém solitário e cansado da maneira que sua vida era levada. Sem amigos, Miles era rodeado apenas de últimas palavras de célebres escritores, por isso estava sempre atrás de ler biografias, mesmo que apenas para saber quais as últimas palavras de cada pensador, cientista, ou qualquer pessoa que fosse importante.

À desejo de seus pais, Miles vai para um colégio interno muito renomado, a famosa Culver Creek, onde seu pai estudara. Mas antes de sua partida, seus pais fazem uma festa de despedida, que é um grande fiasco, pois ninguém, além de dois amigos da família, aparece.

Por conta disso, o início do livro é um pouco tedioso. 

Chegando no colégio, Miles passa a dividir um quarto suíte com Chip Martin, ou então, Coronel Chip, um baixinho folgado e cabeludo que se torna seu melhor amigo.
Coronel, sendo muito popular, apresenta Miles à todos os seus amigos, e o orienta a respeito de seus inimigos. Eram estes, os guerreiros de dia de semana, em outras palavras, mauricinhos que esnobavam o restante dos alunos, por conta de sua classe social.

Miles já tinha amigos e conhecia seus inimigos, mas, segundo Chip, ainda lhe faltava uma coisa: cigarros. Neste momento, ele se lembra da promessa que fizera à sua mãe de não se envolver com coisas erradas, mas por vergonha, ou medo de ficar sozinho novamente, aceita a proposta do Coronel, sem reclamar. Eles, então, se dirigem até o quarto da maior fornecedora de cigarros, bebidas e filmes pornôs de Culver Creek, Alasca Young.

Miles não podia acreditar, à primeira vista, se apaixonou pela linda, meiga e misteriosa Alasca, sobre a qual, poucos sabiam. Sua história era confusa, pois ela pouco se abria. Em alguns momentos, em lugares secretos, e na maioria das vezes bêbada, Alasca contava rápidos episódios de sua vida pessoal, como quando sua mão morreu. Ela diz que era uma garotinha pequena, e que ao ver sua mãe caída ao chão, após um derrame, não soube o que fazer, sentou-se e pôs-se à esperar a chegada de seu pai. Este a acusou de não ter feito nada e por isso colaborado com a morte da mãe. Alasca conta de forma tranquila, sem se quer emocionar-se, talvez por conta da bebida. Desde então, ela sempre visita a mãe no cemitério, principalmente nos aniversários de sua morte.

Além de fria e misteriosa, Alasca é comprometida, e namora o tal Jake, e sempre diz que o ama e que por isso jamais o trairia. Mas Miles não tem intenções de roubá-la de Jake, por isso esconde o tão evidente amor que por ela sente.

Em vários momentos do livro, a pergunta que é feita no seu título se faz presente na mente do leitor, que facilmente se confunde com as atitudes da tal personagem principal. Como por exemplo no dia em que Miles a questiona a respeito da forma que fuma cada cigarro. Ele diz que ela os traga muito rápido, e logo os lança ao chão. Rindo, ela responde que ao contrário deles que fumam para saborear, ela fuma para morrer. Sem mais explicações, o capítulo se encerra, e o querido João Verde deixa para nós mais uma questão.


Se você deseja ler “Quem é você, Alasca?”, se prepare para uma história bonita, interessante, porém repleta de mistérios e perguntas sem respostas.


Eu particularmente, gostei muito do livro, e o leria de novo, mas achei a história um pouco fraca. É emocionante, vale super a pena conferir, mas talvez por falta de inspiração, ou por propósito de John, ela chega a um final, para muitos, sem graça. Muita gente considera John Green como pai de histórias tristes, onde nada dá certo no final, mas eu discordo. Em minha opinião, os romances dele, como a Culpa é das Estrelas, retratam amores e situações completamente intrigantes, que prendem o leitor no livro, sem deixar de exprimir a realidade.

De uma forma mais filosófica rsrs eu diria que Alasca é aquela parte de nós mesmos da qual temos medo. Alasca faz o que quer, diz o que pensa, bebe o quanto aguenta, e ela aguenta muito, é fria ao ver a morte de sua mãe, porém chora ao ver seus livros encharcados. Alasca não deu satisfações à ninguém até o último momento que aparece no livro, deixando todos na dúvida: O que aconteceu com ela? Ou por que aconteceu com ela? Ou como aconteceu?

Quanto ao Miles, se tornou uma pessoa diferente depois de Alasca, assim como cada pessoa que lê esse grande sucesso de John.

Bom, deixo aqui a minha recomendação, leiam “Quem é você, Alasca?” ATÉ O FINAL, porque não conheço uma pessoa se quer que não quis parar em uma parte que...ops... sem spoilers haha


Espero que tenham gostado, beijos!

(autora da resenha : Kethillin Motta)

Compartilhar:

ParticipeComentando

1 comentários:

  1. segundo melhor livro dele na minha opinião, pois o primeiro é Cidades de Papel

    ResponderExcluir

Não esqueça de comentar